Com quase 200 anos de história, o idioma Riograndenser Hunsrückisch Plattdeitsch passa a ser reconhecido como patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul em 2012

Facsimile de documento oficial da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul / This is a facsimile of an official document issued by the Legislative Assembly of the state of Rio Grande do Sul – Brazil.

Proponente: João Fischer
Situação: Sancionado(a) em 23/07/2012
Tramitação: ARQUIVO – envio em 12/07/2012
Legislação:
Tipo: Lei Nº 14061 Visualizar Publicações no Diário Oficial
Processo nº: 20047.01.00/12-8
Assunto: língua hunsrik patrimônio histórico cultural alemã alemanha idioma germânica imigrante bem imaterial iphae
Ementa: Declara integrante do patrimônio histórico cultural do Estado do Rio Grande do Sul, a “Língua Hunsrik”, de origem germânica.
Votação: SIM 51 – NÃO 0

PL 14/2012
JUSTIFICATIVA

Uma língua usada por quase dois milhões de pessoas no Brasil, com forte presença em comunidades de colonização germânica. Este é o idioma Hunsrik, comum entre os descendentes de imigrantes chegados há quase dois séculos da atual Alemanha. Por ter forte presença oral, um grupo de estudiosos montou um código a partir 2004, um modo de escrever adaptado à realidade das colônias da América Latina, para que assim as novas gerações possam estudá-lo. O projeto foi apresentado em Feiras do Livro, em diversos municípios.

“Para muitas crianças, o Hunsrik é a primeira língua, a que é falada em casa com pais e avós. Mas quando elas chegam à escola, aprendem o português, o que é muito difícil. Para elas, o português é a língua estrangeira’’, diz a professora Mabel Dewes, uma das idealizadoras do projeto. De acordo com ela, o Hunsrik era um dialeto germânico até seu registro no Ethnologue, órgão da UNESCO que cataloga as línguas vivas e mortas do planeta, em 2008.

Como as crianças já têm o Hunsrik na cabeça, Mabel acredita que o ensino formal é a maneira mais adequada de mantê-lo vivo para as próximas gerações. Para isso, a professora e doutora em linguística e em fonética Úrsula Wiesemann, da Alemanha, coordenou, com a participação do linguista Martin Dillig, o desenvolvimento das normas para a língua escrita a partir de 2004 em uma série de sessões com pessoas
interessadas em Santa Maria do Herval. Com a participação de crianças e adultos, o novo código foi baseado na fonética da língua portuguesa, levando em conta a natural influência do meio devido à longa distância no espaço e no tempo dos primeiros falantes em solo brasileiro.

O código já está ativo, sendo usado em emissoras de rádio, em livros, revistas e jornais locais, além de gibis para as crianças, que tem se mostrado um grande sucesso segundo a professora Solange Maria Hamester Johann. Também foram traduzidos textos históricos, literários, bíblicos e teatrais.

Sala das Sessões,

Deputado(a) João Fischer

http://proweb.procergs.com.br/consulta_proposicao.asp?SiglaTipo=PL%20&NroProposicao=14&AnoProposicao=2012
Screen Shot 2014-01-29 at 12.07.28 AM

Texto em Hunsriggisch Platt e em português

Screen Shot 2014-01-29 at 12.07.28 AM

Das bresilionische Deitsch unn die deitsche Bresilioner:
en Hunsrickisch Red fo die Sprocherechte

Cléo Vilson Altenhofen, unn Jaqueline Frey

This paper is a contribution of the area of linguistic policies to the
discussion of linguistic rights of speakers of minority languages in Brazil.
The text, bilingual in Portuguese and Hunsrückisch, one of the varieties of
German immigration languages spoken in Brazil, was presented by the
authors (as native speakers and translators), in the Legislative Seminar on
Creation of the Book of Language Registers, organized by the Institute of
National Artistic Heritage (IPHAN), Institute of Investigation and
Development in Linguistic Policies (IPOL) and Education and Culture
Committee of the Chamber of Representatives, in Brasília, on March 2006.
The idea of the Book of Languages contributes to the recognition of
Brazilian linguistic diversity, represented by approximately 210 languages,
from which 180 are autochthonous (indigenous) and around 30 are
allochthonous (of immigration). Its recognition as an immaterial (virtual)
cultural heritage is seem as an important act in favor of speakers’ linguistic
rights and against linguistic prejudice that comes along with the use of
minority languages in contact with the Portuguese language. This work is
inserted in this perspective and it comes along with a supportive
bibliography and a map of bilingual areas in the south of Brazil.

Keywords: linguistic policy; linguistic rights; immigration languages.

Ich mecht all die, wo hier beisammer sinn, ganz hetzlich begriesse – on east Platz de Coordenador von denne Mesa-Redonda, Deputado Paulo Delgado, die Institutione wie de IPHAN unn de IPOL, wo mit dem Deputado Carlos Abicalil de Plon von dem „Livro das Línguas“ ins Lewe geruf honn, dann ooch die Comissão de Educação e Cultura unn hauptsechlich die Sprecher von de annre Sproche, wo unner de 210, wo ma seht, gebte in Brasilie noch gesproch, die Eher horre, hier sich vorstelle se kenne.1

Vielmols danke schen fo die Gelechenheet.

Die Sproch, wo ich unn mein Iwersetzer hie von kleen uf von de Eltre unn de
Gemeind, wo mea grossgewachs sinn, gelennt honn, wedd von vill Sprecher
Hunsrickisch genennt. Was is das awer fo Sproch? Unn wie is die Erfoohnis, in so en Sproch mit so en spassige Nome bresilionisch se senn?

Es hannelt sich in dem Fall um en deitsch Varietet, die mit de easte Immigrante von 1824 on vorran in Rio Grande do Sul mitgebrong gebb is unn sich schnell starik unner de Kinner von denne unn de Kinner von de Kinner vebreit hot, in Zeite, wo es oft noch kee Bresilionisch- ore sogoo Deitsch-Schul gebb hot. Newig dem Hunsrickische gewwe in Brasilie ooch noch annre deitsche Varietete gesproch wie – wolle ma soohn – Pommeronisch, dann Westfelisch (ooch als Sapato de Pau bekannt), Schwebisch, das Platt von de Menonitte, sowie ooch ebbes Bayrische unn Russlanddeitsche, awer wenicher unn de meast in kleene Sprochinsle.

Genn tet ich ooch jede enn von denne annre kleene grosse Sproche wenichstens en bissche spreche unn vestehn, tet mein Vestand unn Seel es packe. Awer ich sinn schon hechst zufriede unn stolz, in zweu Sproche grossgewachs se senn, Hunsrickisch unn Bresilionisch, danewe unn villeicht sogoo dodedorich noch Englisch, Hochdeitsch unn ebbes Sponisch gelennt se honn. Deitsch se schreiwe unn se lese, honn ich awer east on de Universitet gelennt. In mein Gemeind in Itapiranga, Santa Catarina, hott’s eenfach net die Chance gebb, in de Schul Deitsch se lenne – ich menne hiemit Hochdeitsch, was fo uns ooch en Fremdsproch is, grood so wie Englisch unn Sponisch. Bloss die Grosseltre horre noch Deitsch in de Schul in Rio Grande do Sul gehat. Net wenich junge Leit bedaure es desweche, sein Deitsch net benutze se kenne, fo zusetzlich ooch Hochdeitsch se lenne. Manche siehn es kaum on, als en kulturelle Weat. Selebst ich honn on de Universitet in Porto Alegre de east Englisch gelennt.

All die Sproche, wo hier vorgestellt werre, sinn von iwer grosse Weat, well se
Gefihle, Geschichte, Kenntnisse, Culturas, Bresilioner representeere. Die sinn en patrimônio cultural imaterial de fato, wenn ich mich, fo deitlich se spreche, ooch noch ohne Bang mit bresilionische Wetter ausdricke teref. Unn das Interessante is noch, dass díe Sproche eene Attikel mitsammer teele: die werre gemeenehand schwer, so gut wie nie, in en Schul gelennt. En Sproch wie das Hunsrickesche lennt ma vor allem dorrich das Lewe – in Familie unn Sociedade, wenn ach oft noch net mo onerkannt unn sogoo vebot, wie in Zeite mit Kriech ore Konflikte.

Ich mecht mich desweche mit vollem Hetz nochmo bedanke fo die Gelechenheet iwerhaupt, in mein east Mottersproch, das Hunsrickische, hier spreche se terwe. Das is goo net so selebstvestennlich, wenn ma bedenkt, wie oft ma mea unn vill annre Sprecher von so en unoffiziell Sproch in de Schul hauptsechlich vorgeworef hot, ich sollt net Deitsch spreche, ich wea doch in Brasilie, wo ma „nure“ Bresilionisch spreche tet. Ore so Julgamente wie, es wea doch kee richtig Sproch, die tet jo fo nix diene. Noch net mo en Grammatik hett se. Ore noch: die wea kee pur Sproch, es wea en Mistura von Deitsch unn Bresilionisch, wie wenn es iwerhaupt pure Sproche gebt.

Sicher is das Hunsrickische in Brasilie starik unn immer meh bresilionish gebb, awer das macht es doch grood en bresilionisch Sproch, en patrimônio cultural imaterial von Brasilie unn sein Geschicht, so wie es om Onfang von de Kolonisierung die Indionersproche mit dem Portugiesische gemacht honn. Das Portugiesische is in Brasilie eenfach bresilionisch gebb.

All die Reflexione honn mich schliesslich dazu gebrung, in Porto Alegre on die Universitet se gehn, fo Letras se studeere, unn se vestehn, wie en Sproch iwerhaupt funktioneat, unn was das Hunsrickische werklich bedeite tet. Langsam, so wie alles im Lewe, wo ma besser vesteht unn wodriwer ma frei spreche kann, honn ich de Bang veloa unn Dings ausgekluch iwer en Mottersproch, wo ich vorher mea net vorstelle konnt.

Was ich mit mein Mottersproch heitsches Tooch mache unn was fo weat sie fo
mich hot, das bestimme ich. Net dass ich weche de falsche Julgamente mein east Mottersproch, das Hunsrickische, ufgewwe unn sogoo vom Gedechtnis wie mit’en Borrach auswische kann. Ganz im Gecheteel. Das Recht uf en frei Denke unn Spreche kann en Mensch goo net ufgewwe, sonst is’er tot ore bleibt fo ewig en Escravo. Net umsonst gibt’s ooch noch Schreibnome wie Frey, was nix meh wie „livre“ bedeit.

Natealich kann ma net alles ore iwer wenich mit so en Sproch wie Hunsrickisch. Ich mache mea kee falsche Vorstellunge vor. Bresilionisch wie ooch annre Sproche (Englisch, Hochdeitsch) sinn mea grood so important, wenn net meh. Hunsrickisch hot sein eichne Weat unn Gebrauch, wenn nure, fo mit de Motter unn Vater ore Mann unn Froo iwer Dinger von de Familie se spreche, ore kotz sich se veschenne, ohne dass jemand es vesteht, ore noch wenn ma en Parent ore en Amigo dodemit soohn will, dass ma en genn hot, dass ma sich mit dem identifikeat, dass ma sein Kultur onhellt. En Sproch bedeit vill meh wie nure en List Wetter ore Grammatik. Es is ooch en Zeiche fo Identitet, unn hinner jedem Wott vesteckt sich en ganz Geschicht unn hauptsechlich Mensche mit eichnem Denke unn Wille, unn en ganz persenliche Oot, die Welt se beobachte. Hinner jedem Wott kloppt en Hetz, ganz eenfach well Sproche menschliches Werk sinn. Wer das vesteht, hat schon lengst rausfunn, dass ma bessere Geschefter mache kann unn meh Kunne krieht, wenn ma die Sproch vom annre, dem fremde, kann. Bloss so kann ma sich en besser Gesellschaft hoffe, wenn jeder das Recht hot, sein Mottersproche frei se spreche, wo es sich hingeheat. Nimmand kann es vebiete.

Wenn ich jetz hie in Brasília sinn, also im Zentrum von de bresilionisch Politik, in de Câmara dos Deputados, wo ma erwoote tet, tereft ma nure die offiziell Sproch Bresilionisch spreche, frohe ich mich, was do, fo die Wohrheet se soohn, los is unn wieso das mechlich senn kann. Was fo neie Wind geht do? Etwas muss ma dann lowe: So en Gelechenheet is fo alles, was ich bis jetz gesooht honn, en extra Zeiche fo Toleranz, Demokratie, Respekt fo die Unnerschidde, helle Sinn, so dass ma menne kennt, ma tereft werklich newig dem Bresilionische zweu Mottersproche honn. In unsrem Fall also were das Hunsrickisch unn Bresilionisch, well mea alle zweu Sproche mitsammer gelennt honn, wenn ooch en Teel von de Sprecher in manche isoleate Gechende east Bresilionisch geheat honn, wie se in die Schul komm sinn. Wenn ich persenlich soohn sollt, was fo von de zweu Sproche fo mich die sterikst is, unn die ich de east gelennt honn, wisst ich net genau. Desweche finne ich, ich kann jede enn von de zweu wie en Mottersproch, jede enn natealich uf seine Oot. Ma muss awer dazu noch de Status von denne zweu Mottersproche considerere. Die enn is die offiziell Sproch in Brasilie, in denne ma schreiwe unn lese lennt. Die anner wedd bloss gesproch mit de Mitglieder von de Gemeind, zu denne ma geheat. Es is kee offiziell Sproch. Noch net mo geschribb gibt se, wenn ma ach in manche Zeitunge kotze Texte ontrefft, wo enne hauptsechlich humoristisch mit de Sproch umgeht.

Von dem Status von dem Hunsrickische henge annre Attikle ab – oft negative – wo ich schon genennt honn. Ich denke, dass de “Livro das Línguas” die important Funktion hot, so Sproche wie das Hunsrickische unn die annre 209 Sproche, wo in Bresilie gesproch gewwe solle, als bresilionisch berechticht onseerkenne. Es is desweche en Instrument, fo die Sprochrechte se defendeere.2

Natealich honn all die Sproche, wie ich schon sooht, net de selwige Gebrauch und Funktion wie das Bresilionische. Es sinn hauptsechlich Sproche von de Familie unn von de Gemeind. De “Livro das Línguas” heleft in dem Sinn Stimm se gewwe fo die, wo die meast Zeit ruhig gemacht gebb sinn unn noch gewwe. In dem die Sprecher Recht on en Stimm honn, honn die von denne Sproche ooch en Gelechenheet, sich selwer besser kenneselenne unn sein Sproch nei aussebaue unn aussekluche. Dodemit is de Weg uf, fo das Lenne von annre Sproche, wie, wolle ma soohn, Hochdeitsch unn Bresilionisch. Ma wees doch von de Pesquisas, dass enne, wo sich selebst besser kennt, sein eichne Kultur unn Sproch, ooch sich besser desenvolveat als Mensch unn Cidadão, unn so ooch leichter sein Platz in de Gesellschaft find unn kennt.

De “Livro das Línguas”, finne ich, deckt desweche en Realitet uf, wo schreut, fo geheat unn gesiehn se gewwe, unn fo das Recht se honn, seine eichne Bresilionitet se finne unn se desenvolvere. Wenn ma sich die moderne Welt von de Globalisierung iwerleet, kann ma net vestehn, warom sich so ville Sprecher immer noch scheme, so’en Mottersproch se spreche. Awer dodefoa sinn mea jo hier: fo en neie Weg ufsemache, unn fo mehr Licht in das Teel von Brasilie se werfe. Ich bedanke mich. Das woo’s.

 

O alemão brasileiro e o brasileiro alemão:

uma fala em Hunsrückisch em defesa dos direitos lingüísticos

Cléo Vilson Altenhofen, e Jaqueline Frey
Eu gostaria de cumprimentar cordialmente a todos aqui presentes – em primeiro lugar ao coordenador desta mesa-redonda, deputado Paulo Delgado, as instituições como o IPHAN e o IPOL, que concebeu com o deputado Carlos Abicalil a idéia do “Livro das Línguas”, do mesmo modo também a Comissão de Educação e Cultura e, principalmente, também os falantes das demais línguas, que dentre as 210 que se diz ainda são faladas no Brasil, tiveram a honra de poder se apresentar aqui.3

O meu muito obrigado pela oportunidade.

A língua que eu e minha falante, aqui, aprendemos desde pequenos dos nossos pais e da comunidade, na qual crescemos, é denominada por muitos falantes de Hunsrückisch. Mas que língua é essa? E como é a experiência de ser brasileiro numa língua com um nome tão estranho?

Trata-se, nesse caso, de uma variedade do alemão, trazida pelos primeiros
imigrantes alemães a partir de 1824 ao Rio Grande do Sul, de onde se difundiu rapidamente entre seus filhos e os filhos dos filhos, em uma época em que não havia nem o ensino de português e até mesmo de alemão. Ao lado do Hunsrückisch ainda são faladas no Brasil outras variedades do alemão, como por exemplo, pomerano, vestfaliano (também conhecido como Sapato de Pau), suábio, o alemão dos Menonitas, bem como algo de bávaro e russo-alemão, mas muito pouco e na maior parte em pequenas ilhas lingüísticas.

Com prazer gostaria de também falar e entender pelo menos um pouco de cada uma dessas pequenas grandes línguas, estivesse isso ao alcance de minha razão e alma. Mas já me tomo por muito satisfeito e orgulhoso por ter crescido em duas línguas, Hunsrückisch e português, e de, ao lado disso e talvez até em decorrência disso, ter aprendido adicionalmente o inglês, alemão-padrão e algo de espanhol. Escrever e ler em alemão, no entanto, apenas aprendi na universidade. Na minha comunidade, Harmonia (Rio Grande do Sul), assim como na comunidade da falante, em Itapiranga (Santa Catarina), infelizmente não havia a oportunidade de aprender alemão na escola – aqui me refiro ao Hochdeutsch, alemão-padrão, que para nós
também pode ser visto como uma língua estrangeira, da mesma maneira que o são o inglês e o espanhol. Somente os avós ainda tiveram ensino de alemão na escola, no Rio Grande do Sul. Por isso, não poucos jovens lamentam o fato de não poderem utilizar seu alemão para aprenderem adicionalmente também o alemão-padrão.

Alguns nem o vêem como um valor cultural. Mesmo eu estudei primeiro o inglês na universidade em Porto Alegre.

Todas as línguas, que aqui estão sendo apresentadas, são de enorme valor, pois representam sentimentos, histórias, conhecimentos, culturas, brasileiros. Elas são um patrimônio cultural imaterial de fato, se também posso, para ser mais claro, também me expressar sem medo com palavras do português. E o mais interessante é que essas línguas compartilham um aspecto: elas dificilmente, para não dizer que nunca, são ensinadas e aprendidas numa escola. Uma língua como o Hunsrückisch aprendese sobretudo pela vida em família e na sociedade, mesmo que às vezes nem seja
reconhecida e até proibida, como em épocas de guerra ou conflitos.

Por isso, gostaria de agradecer novamente de todo coração pela oportunidade recebida de poder aqui falar em minha primeira língua materna, o Hunsrückisch. Isso sequer pode ser visto como algo óbvio, se pensarmos, quantas vezes nós e muitos outros falantes de uma língua não-oficial fomos repreendidos, principalmente na escola, de que não falássemos alemão, porque estávamos no Brasil, onde só se deveria falar português. Ou julgamentos tais como o de que não se tratava de uma
língua de fato, que não servia para nada. De que nem mesmo uma gramática ela tinha. Ou ainda: que não era uma língua pura, que era uma mistura de alemão e português, como se realmente existissem línguas puras.

Sem dúvida, o Hunsrückisch no Brasil tornou-se fortemente e sempre mais
brasileiro e aportuguesado, mas é isso que o torna justamente uma língua brasileira, um patrimônio cultural imaterial do Brasil e de sua história, assim como o fizeram as línguas indígenas com o português, no início da colonização. O português, no Brasil, simplesmente tornou-se brasileiro, ficou brasileiro.

Todas essas reflexões me levaram por fim à universidade em Porto Alegre, para estudar Letras e tentar entender como uma língua na verdade funciona, e o que o Hunsrückisch realmente significava. Aos poucos, como acontece com tudo na vida, que se passa a compreender melhor e sobre o qual se pode falar livremente, perdi o medo e descobri coisas sobre uma língua materna que antes eu não podia imaginar.

O que faço hoje em dia com minha língua materna e o valor que ela tem para
mim, reservo a mim o direito de decidir. Não é por causa dos falsos julgamentos que eu vou abrir mão da minha língua materna, o Hunsrückisch; nem pretendo apagá-la com uma borracha da memória. Bem ao contrário. O ser humano não pode abrir mão do direito e liberdade de pensamento e de expressão, senão ele está morto ou permanece para sempre um escravo. Não é à toa que ainda existem sobrenomes como Frey, que significa, nada mais, nada menos, que “livre”.

Evidentemente, não se pode tudo ou quase nada com uma língua como o
Hunsrückisch. Não alimento falsas ilusões. O português, assim como outras línguas (inglês, alemão) são para mim igualmente importantes, senão mais. O Hunsrückisch tem seu próprio valor e utilidade, mesmo que seja apenas para falar com a mãe e o pai, o marido e a esposa sobre coisas da família, ou se xingar brevemente sem que alguém outro o entenda, ou ainda quando se quer dizer com isso a um parente ou um amigo que se gosta dele, que a gente se identifica com ele, que se aceita sua cultura. Uma língua significa muito mais do que uma lista de palavras ou regras gramaticais. É também um sinal de identidade, e atrás de cada palavra esconde-se uma história inteira e, principalmente, seres humanos com pensamentos e vontades próprios e
uma maneira toda pessoal de observar o mundo. Atrás de toda palavra bate um coração, simplesmente porque as línguas são obras humanas. Quem entende isso, há tempo já descobriu que se pode fazer melhores negócios e conquistar mais clientes, quando se sabe a língua do outro, do desconhecido, do estrangeiro. Somente assim se poderá desejar uma sociedade melhor, se cada um tiver o direito de falar a sua língua materna livremente, como deve ser. Ninguém pode proibir isso.

Se eu agora estou aqui em Brasília, no centro da política brasileira, na Câmara dos Deputados, onde se esperaria se pudesse falar apenas a língua portuguesa, perguntome, para dizer a verdade, o que está acontecendo e como isso pode ser possível. Que ventos novos estariam soprando? Uma coisa é preciso elogiar: esta é uma oportunidade que, por tudo que já falei até agora, representa um sinal exemplar de tolerância, democracia, respeito à diferença e lucidez, de modo que se pode pensar realmente que é possível ter, ao lado do português, duas línguas maternas. Em nosso caso, portanto, essas línguas seriam o Hunsrückisch e o português, porque aprendemos as duas línguas simultaneamente, mesmo que em localidades isoladas alguns dos falantes tenham ouvido o português pela primeira vez, quando entraram
na escola. Se eu tivesse que dizer pessoalmente qual das duas línguas é mais forte para mim e qual eu aprendi primeiro, não saberia com exatidão. Por isso, me parece que cada uma das duas é como uma língua materna, cada uma, evidentemente, à sua própria maneira.

É preciso, por isso, considerar também o status dessas duas línguas maternas. Uma delas é a língua oficial do Brasil, na qual se aprende a ler e a escrever. A outra é somente falada, com os integrantes da comunidade à qual se pertence. Não é uma língua oficial. Ela não é nem mesmo escrita, mesmo que se encontre, em alguns jornais, textos breves tratando normalmente essa língua de forma humorística.

Dependem do status do Hunsrückisch também outros aspectos – muitas vezes negativos – que já mencionei. Penso que o “Livro das Línguas” tem a importante função de, acima de tudo, reconhecer como brasileiras essas línguas como o Hunsrückisch e mais outras 209 línguas que são faladas no Brasil. É, por isso, sobretudo, um instrumento de defesa e afirmação dos direitos lingüísticos dos cidadãos.

Evidentemente, como já disse, o Hunsrückisch não têm o mesmo uso e função que possui o português. Trata-se, principalmente, de uma língua da família e da comunidade. O “Livro das Línguas” ajuda, nesse sentido, a dar voz a essas línguas que, na maioria das vezes, foram silenciadas, e ainda o são. Na medida em que os falantes expressam seu direito a uma voz, esses falantes também recebem uma oportunidade de se conhecerem melhor e de redescobrir e reconstruir sua língua novamente. Com isso, abre-se o caminho para a aprendizagem de outras línguas, como, por exemplo, alemão-padrão e português. Afinal, o que se sabe das pesquisas é que um indivíduo que se auto-conhece, sua própria língua e cultura, também se desenvolve melhor como pessoa e cidadão e, assim, mais facilmente encontra e conhece seu lugar na sociedade.

O “Livro das Línguas”, penso eu, desvenda assim uma realidade que grita para ser escutada e vista, e para ter o direito de encontrar e desenvolver sua própria brasilidade. Quando se reflete sobre o mundo moderno da globalização, não se consegue entender, por que tantos falantes ainda se envergonham de falar essa língua materna. Mas para isso é que estamos aqui: para abrir um caminho, e para lançar mais luz (mehr Licht) sobre essa parte do Brasil. Muito obrigado. Era isso.

Informationsmaterial fo wer meh iwer das Hunsrickische wisse mecht /
Informações para quem busca saber mais sobre o Hunsrückisch

1 Texte uff Hunsrickisch / Textos em Hunsrückisch

FLACH, José Inácio. Unsa gut deitsch Kolonie. Nova Petrópolis: Sociedade União Popular Theodor Amstad, 2004.

GROSS, Alfredo. Hunsrücker Mundart in Brasilien. Dialektgedichte und Schriften in deutscher und portugiesischer Sprache. Porto Alegre : S.e., 2001.

MÜLLER, Telmo Lauro. História da imigração alemã para crianças. Porto Alegre : EST; Correio Riograndense, 1996. [edição trilíngüe português-alemão-dialeto Hunsrückisch]

RAMBO, Pe. Balduíno. O rebento do carvalho: contos dialetais (1937 a 1961).
Trad. Arthur Blásio Rambo. São Leopoldo (RS) : Ed. UNISINOS, 2002. v. 1-2.
Coluna Der Friedolin, no jornal Correio Rio-Grandense, de Caxias do Sul – RS.
Coluna Deutsche Sprache, no jornal O Informativo, de Lajeado – RS.
Coluna no jornal semanal Primeira Hora, de Bom Princípio – RS.
Coluna Hunsrücker aus Rondon, no jornal Evangelische Zeitung, editado em Porto Alegre (?).
Textos em Hunsrückisch no Brummbär-Kalender, editado entre 1931 e 1935, em Arroio do Meio – RS, por Alfons Brod, e que se constituía prioritariamente de textos
– poemas e contos – de cunho humorístico.
Textos no Familienkalender, almanaque anual editado em Porto Alegre – RS.
Textos em Hunsrückisch no Sankt Paulusblatt, periódico mensal editado pela
Sociedade União Popular Theodor Amstad, em Nova Petrópolis – RS.
2 Dicionea fo Pesquisas iwer die Wetter / Dicionários para a pesquisa
lexicográfica

CONRATH, Karl: Die Volkssprache der unteren Saar und der Obermosel. Ein
moselfränkisches Wörterbuch. Gießen : Schmitz, 1975.

CRECELIUS, Wilhelm. Oberhessisches Wörterbuch. Aufgrund der Vorarbeiten

WEIGANDs, DIEFENBACHs und HAINEBACHs sowie eigner Materialien.
Bearbeitet im Auftrag des Historischen Vereins für das Großherzogtum Hessen. 2
Bde. Darmstadt, 1897-1899. Neudruck. Wiesbaden, 1966.

CHRISTA, Peter. Wörterbuch der Trierer Mundart. Honnef : Verlag des Verfassers,
1927/28.

DicAur = FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o
dicionário da língua portuguesa. 3. ed. totalmente rev. e ampl. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1999.

DicHouaiss = HOUAISS, Antônio & VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro : Objetiva, 2001.

DIENER, G. Walter. Hunsrücker Wörterbuch. Niederwalluf : Sändig, 1971. DWb

Deutsches Wörterbuch von Jakob GRIMM & Wilhelm GRIMM. [Ab Bd. 4
bearb. von J. GRIMM; K. WEIGAND & R. HILDEBRAND et al. 16 vol. Leipzig,

Hirzel, 1854-1954. http://germazope.uni-trier.de/Projects/WBB/ woerterbuecher/

PfWb = Pfälzisches Wörterbuch. Begründet von Ernst CHRISTMANN, fortgeführt von Julius KRÄMER, bearbeitet von Rudolf POST unter Mitarbeit von Sigrid

BINGENHEIMER und Josef SCHWING. Wiesbaden, Steiner, 1976-1980.
(http://germazope.uni-trier.de/Projects/WBB/woerterbuecher/)

RhWb = Rheinisches Wörterbuch. Im Auftrag der preußischen Akademie der
Wissenschaften, der Gesellschaft für rheinische Geschichtskunde und des
Provinzialverbandes der Rheinprovinz. Auf Grund d. v. J. FRANCK begonnenen, von allen Kreisen d. Rheinischen Volkes unterstützten Sammlung. Bearb. u. hrsg. von Josef MÜLLER. 9 v. Bonn : Klopp, v. 1, 1928. v. 2ss. Berlin, 1931-1971. (http://germazope.uni-trier.de/Projects/WBB/woerterbuecher/) 3 Teses unn Dissertatione iwer de Kontakt Deitsch-Bresilionisch / Teses e Dissertações sobre o Contato Alemão-Português

ALTENHOFEN, Cléo Vilson. A aprendizagem do português em uma comunidade bilíngüe do Rio Grande do Sul. Um estudo de redes de comunicação em Harmonia. (Dissertação de Mestrado.) Porto Alegre : Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1990. [Orient. Prof. Dr. Walter Koch]

ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Hunsrückisch in Rio Grande do Sul. Ein Beitrag zur
Beschreibung einer deutschbrasilianischen Dialektvarietät im Kontakt mit dem Portugiesischen. Stuttgart : Steiner, 1996. (Mainzer Studien zur Sprach- und Volksforschung; 21.) [Orient. Prof. Dr. Günter Bellmann]

AULER, Maria Luisa E. O code switching no discurso bilíngüe em Ivoti, RS.
Dissertação de Mestrado. São Leopoldo (RS) : Universidade do Vale do Rio dos
Sinos; Programa de Pós-Graduação em Lingüística Aplicada, 2002.

BARANOW, Ulf Gregor. Studien zum deutsch-portugiesischen Sprachkontakt in Brasilien. (Diss. masch.) München : Ludwig Maximilian-Universität München, 1973.

BREUNIG, Carmen Grellmann. A alternância de código como pedagogia
culturalmente sensível nos eventos de letramento em um contexto bilíngue.
(Dissertação de Mestrado.) Porto Alegre : Universidade Federal do Rio Grande do Sul; PPG-Letras, 2005. [Orient. Profa. Dra. Ana Maria Stahl Zilles]

DAMKE, Ciro. As interferências do alemão como língua materna na aprendizagem do português. (Diss. Mestrado.) Porto Alegre : UFRGS, 1988. [Orient. Prof. Dr. Margot Levy Mattoso]

DAMKE, Ciro. Sprachgebrauch und Sprachkontakt in der deutschen Sprachinsel in Südbrasilien. Frankfurt a. M.; Berlin; Bern; New York; Paris; Wien : Lang, 1997. (Europäische Hochschulschriften: Reihe 21, Linguistik; 190.) [Orient. Prof. Dr. Klaus Mattheier]

DOLL, Johannes. A implantação e o aproveitamento de um currículo bilíngüe: uma pesquisa-ação. Diss. Mestrado. Porto Alegre : UFRGS/FACED, 1994. [Prof. Dr. Juan José Mouriño Mosquera]

DÜCK, Elvine Siemens. Witmarsum, uma comunidade trilíngüe: Plautdietsch,
Hochdeutsch e português. Curitiba : UFPR / PPG-Letras, 2005. [Orient. Profa.

Dra. Odete Menon]EMMEL, Ina. “Die kann nun nich’, die is’ beim treppenputzen!”. O progressivo no alemão de Pomerode – SC. Tese de Doutorado. Florianópolis : Universidade Federal de Santa Catarina; PPG-Lingüística, 2005. [Orient. Profa. Dra. Roberta Pires de Oliveira]

Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Letras, Avenida Bento Gonçalves, 9500 Caixa Postal 15.002, 91540-000 Porto Alegre, RS – Brasil. Telefone: (51) 3316-6790 Fax: (51) 3316-7303. e-mail: cvalten@pro.via-rs.com.br

Revista Contingentia, Vol. 1, novembro 2006. 39–50
© Revista Contingentia ISSN 1980-758

Screen Shot 2014-01-29 at 12.07.28 AM

Dohie sind zwooi Männer. Ene von denner ist Gay. Kannst du soon welcher der Schwul ist?
Stereotypiere ist enfach Engsteennich.
Kanpagne geche Homosexuelle-Hass, London, Grossbritanie.

 

Pommersche Gemeinschaften

Comunidades Pomeranas do Município de Roque Gonzales, Rio Grande do Sul – Brasil

Boas-vindas ao Pommersche Gemeinschaften!

Kaspar Hauser uf Hunsricker Platt gesung…

Kaspar Hauser uf Hunsricker Platt gesung…

Text, Musik und Bearbeitung von Andreas Müller (2012)

Zeichnungen von Walter Brusius
Harry Schwandt singt Kaspar Hauser (von Reinhard Mey)

Wer woo Kaspar Hauser?
Quem foi Kaspar Hauser? Leia AQUI!

“O Enigma de Kaspar Hauser” (1974)
Um filme em alemão mas legendado em espanhol.
Ein Deitsche Film, awer mit Unnertitle in Kastilhoonisch (im Riograndenser Hunsrückisch kann man Spanisch soohn orrer Kastilhoonisch – uff Hochdeitsch säht Spanisch und ooch, awer dann “Kastillisch” statt Kastilhoonisch).